Previdência é prioridade do governo no primeiro semestre, diz líder

reforma_prev
André Moura se encontrou com o presidente Temer nesta quarta-feira – Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Reforma da Previdência

André Moura (PSC-SE) afirmou que, por ser um tema de interesse geral, mudança no sistema de aposentadorias terá debate intenso na Câmara

A aprovação da reforma da Previdência no Congresso é a prioridade do governo federal no primeiro semestre. Em dezembro, a proposta de emenda à Constituição teve sua admissibilidade aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. No próximo mês, a expectativa é pelo início da discussão do mérito pelos deputados.

Após reunião com o presidente da República, Michel Temer, para discutir a pauta legislativa do ano, o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), projetou ao Portal Planalto um calendário para a aprovação da PEC. De acordo com o deputado, a articulação governista trabalha para o tema estar pronto para promulgação do Congresso até junho.

Para o líder, a reforma é um assunto de interesse geral e, por isso, vai precisar de um período maior de discussão na Câmara. “Essa é a orientação do presidente Temer, discutir a proposta com a participação da sociedade e das centrais dos trabalhadores para que todos tenham direito de trazer suas sugestões, e que o relatório a ser produzido na comissão especial possa ser o mais adequado”.

Sistema

“A Previdência do país hoje, se não aprovarmos a sua reforma, vai falir, vai quebrar. Isso vai fazer com que as futuras gerações sejam penalizadas. Temos que estar preocupados com aqueles que já são aposentados e pensionistas, e com aqueles que contribuem e que querem, no futuro, ter o direito também à sua aposentadoria garantida”, comentou Moura.

Moura disse que, com a reforma, o governo deve economizar R$ 1,3 trilhão nos próximos dez anos. “O Brasil hoje tem na Previdência a sua segunda maior despesa, exatamente para poder cobrir o rombo da Previdência. Esse recurso que é empregado hoje na Previdência faz com que o país tenha esse aporte que poderia perfeitamente ser disponibilizado para investimentos em outras áreas prioritárias, principalmente, as que priorizam a geração de emprego”, concluiu.

Fonte: Portal Planalto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.